sábado, 6 de julho de 2019

Globo desmente “conversa pra boi dormir” do hacker que invadiu celular do Moro, aponta Correia

(Foto: Jailson Sam - Agência Câmara)

Do PT na Câmara - A denúncia apresentada pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro, de que seu telefone celular teria sido grampeado por um “hacker” no dia 4 de junho – e este “criminoso” teria repassado o conteúdo ao site The Intercept Brasil – é desmentida por uma nota do diretor de jornalismo da Rede Globo, Ali Kamel.
O executivo da emissora, em comunicado emitido no dia 12 de junho, 3 dias após o início da série de reportagens do escândalo da “Vaza Jato”, disse que “Glenn Greenwald procurou a Globo por e-mail no último dia 29 de maio para propor uma nova parceria de trabalho” que envolvia o material jornalístico que passou a ser divulgado a partir de 9 de junho.
A “denúncia” de Moro foi divulgada de forma estranha, sem muitos detalhes, no dia 5 de junho, exatamente uma semana após Greenwald ter procurado a Rede Globo e no mesmo dia em que o jornalista norte-americano participou de reunião na redação do programa Fantástico para tratar do tema com os colegas da emissora carioca. A parceria com a Globo acabou não vingando. Em compensação, veículos como Folha de SP, Veja, Band e o jornalista Reinaldo Azevedo, insuspeitos de serem militantes da esquerda, têm trabalhado junto com o site dirigido por Greenwald.
Tese fantasiosa  
Para o deputado Rogério Correia (PT-MG), essa cronologia dos fatos mostra que a tese defendida por Moro é fantasiosa. “Essa história é conversa pra boi dormir”, disse Correia.
“Foi o próprio diretor de jornalismo da Rede Globo que mostrou que Glenn Greenwald já estava de posse das mensagens pelo menos uma semana antes do alarde feito pelo Ministério da Justiça, de que o celular do ministro Moro teria sido hackeado em 4 de junho”, argumenta o parlamentar.
Para Correia, “cai por terra” a tese de Moro e de seus defensores que tentam atacar Greenwald a partir do suposto hackeamento do celular do ex-juiz.
Segundo o deputado mineiro, Moro deve explicações à sociedade brasileira sobre sua atuação à frente da Lava Jato, onde atuou à margem da lei como chefe e acusador, em vez de ser juiz imparcial, bem como sobre sua atuação no comando do Ministério da Justiça.
Correia avalia que Moro, nas duas vezes que foi ao Congresso Nacional para falar sobre o caso, “só respondeu às perguntas que quis, assim mesmo com evasivas, e o escândalo só poderá ser efetivamente investigado por intermédio de uma Comissão Parlamentar de Inquérito”.
O afastamento de Moro do cargo de ministro da Justiça é imperativo, na visão do parlamentar, “sobretudo porque a Polícia Federal, sob seu comando, foi instrumentalizada por ele, para perseguir Glenn Greenwald, com ações intimidatórias que ameaçam a liberdade de imprensa no País”.
De acordo com o site G1, a Polícia Federal trocou o comando da investigação que sobre a suposta invasão no celular do ministro da Justiça. O site informa ainda que a PF já instaurou quatro inquéritos para investigar o vazamento de mensagens do celular do ministro Moro e também de procuradores da força-tarefa da Lava Jato.
A investigação da Polícia Federal vai na contramão do que Ali Kamel mostrou na nota oficial da Rede Globo.(247)


Blog do BILL NOTICIAS

Nenhum comentário:

Postar um comentário